Archive by Author

A intensa trilha sonora de “Pearl Harbor”

7 dez

7 de dezembro de 1941. Há exatamente 69 anos, o ataque japonês à base naval americana de Pearl Harbor, no Havaí, colocava os Estados Unidos da América, oficialmente, na Segunda Guerra Mundial.

O fato marcou tanto que já virou filme três vezes. A última vez – e a mais conhecida delas – foi em 2001. Nessa versão mais recente, “Pearl Harbor” é protagonizado por Ben Afleck e Josh Hartnett, que vivem dois pilotos e grandes amigos de infância. Os dois se envolvem com a personagem de Kate Beckinsale (Anjos da Noite), a enfermeira Evelyn.

Em meio à Guerra, “Pearl Harbor” narra uma das mais belas e comoventes histórias de amor já apresentadas no cinema. E a trilha sonora não podia fazer por menos.

A canção “There You’ll Be” tem uma melodia forte e, por isso, caracteriza bem o filme. A letra da música retrata a história perfeitamente, já que fala das lembranças de uma intensa paixão.

“There You’ll Be” levou “Pearl Harbor” a duas indicações ao Globo de Ouro – por Melhor Canção Original, categoria que também concorreu ao Oscar, e outra por Melhor Trilha Sonora.

A música foi escrita pela cantora americana Diane Warren e interpretada por Faith Hill. Michael Bay, que dirigiu o filme, também ficou responsável pelo clipe da canção.

Pode até ser que enquanto você lia esse texto, não tenha se lembrado de que música exatamente se trata. Mas com certeza vai reconhecer quando a ouvir de novo. Com vocês, “There You’ll Be…”

Lele Saddi fala da relação “moda e comunicação”

16 nov

Imagem: IG

Na terça-feira, dia 22 de outubro, cerca de 80 alunos se espremeram na sala 72 da UNESP. O motivo? Alessandra Saddi desembarcou em Bauru, trazendo na bagagem uma experiência profissional de sucesso – aos 22 anos!

Lelê Saddi, como é conhecida, tem um blog de moda super acessado, é gerente de marketing da loja Daslu e Relações Públicas da grife de lingerie Hope. O tema da palestra foi Comunicação, Moda e Marketing e era direcionada ao curso de Relações Públicas da UNESP, mas reuniu estudantes de diversas faculdades (e ainda pôde ser acompanhada ao vivo por twitcam!).

Durante toda a conversa, a blogueira afirmou que a relação “moda e comunicação” deve crescer a passos largos daqui pra frente, já que as grifes estão cada vez mais preocupadas em divulgar seu produto e cuidar de sua imagem.

Pra quem quer começar a trabalhar nessa área, Lelê disse que não tem lugar para pessoas “mais ou menos” e é preciso inovar, fazer diferente. Ela também afirmou que não basta ser competente, é preciso parecer competente.

Depois da palestra, Lelê Saddi conversou com o Estilo em Claquete e comentou o fenômeno dos blogs de moda. “Os blogs estão ganhando muita força, eles têm um poder de influência muito forte, porque são opiniões sinceras. Na prática, ‘aquilo’ é bom ou ruim, ‘aquilo’ eu usei e gostei. Eu vejo muitas marcas procurando os blogs pra ajudar nessa parte de boca a boca, porque o blog acaba sendo um boca-a-boca – verdadeiro.”

Lelê tem um blog que recebe cerca de 20 mil visitas por dia. Acostumada a “passear” pelas páginas virtuais, ela disse que nem todo material disponível na internet tem qualidade. Diferente do que acontece no exterior, a moda, aqui no Brasil, é vista com certo preconceito e é encarada como algo fútil. Lelê Saddi acredita que os profissionais da comunicação têm papel fundamental para mudar essa idéia.“A marca de moda não existe sem uma área de comunicação. A comunicação ajuda a explicar que moda é um negócio sério. Eu conheço muitas pessoas de marcas importantes e eu vejo o quão difícil é o trabalho delas. É um trabalho muito forte, muito pesado.”

E para quem pretende investir na carreira de comunicação na moda, Lelê deixou seu recado final.“(O futuro profissional) tem que se comunicar bem e tem que gostar muito de moda. Todo mundo acha que trabalhar com moda é mil maravilhas. Moda é muito difícil. Não podem achar que a moda é uma fantasia, que são as modelos desfilando na passarela, porque não é isso!”

PERFIL FASHION: JOHNNY DEPP

16 out

John Christopher Depp II nasceu no dia 9 de junho de 1963, em Kentucky, nos Estados Unidos. Filho de pais separados, ele se mudou para a Flórida ainda jovem e detestava freqüentar a escola. Foi só mais tarde,  já na fase adulta, que as coisas mudaram. Johnny Depp conheceu o ator Nicolas Cage, que lhe conseguiu um teste em Hollywood.

O primeiro papel no cinema foi no clássico do terror A Hora do Pesadelo, de 1984, em que enfrentava o temido Freddie Krueger. Daquela época até hoje, Johnny Depp consagrou uma extensa filmografia, marcada por personagens excêntricos.

Pra quem cresceu na década de 90, Edward, Mãos de Tesoura é um exemplo básico (da Sessão da Tarde!). O filme, de 1990, marcava o início de uma das parcerias mais bem sucedidas do cinema, junto ao diretor Tim Burton, com quem trabalhou outras seis vezes.

E não são apenas os personagens de Johnny Depp que inspiram gerações. Mais do que isso, o ator é uma referência de moda.

*

Johnny Depp faz o estilo grunge, também conhecido como “mendigo chique”. Quem vê o ator desfilar jeans surrado e barba por fazer pode até pensar que ele seja meio desleixado. Entretanto, são os acessórios, cuidadosamente escolhidos, que garantem a Johnny Depp o status de ícone fashion.

Foto: Fashionismo

Chapéus, óculos de lentes azuis coloridas, muitas correntes, pulseiras e munhequeiras dão um toque especial aos looks do ator, que costumeiramente é flagrado vestindo coletinhos, camisas xadrez e blusas listradas. Johnny Depp gosta de misturar estilos diferentes – quase sempre com um ar meio hip hop -, fazendo com que seu visual atraia muitos olhares curiosos e, até mesmo, cheios de inspiração.

O astro, aliás, não faz o tipo que gasta uma fortuna em lojas de roupas e, por isso, conquista tantos adeptos a seu estilo. O estudante de psicologia, Hudson Cheque Leite, é daqueles que estão sempre atentos às tendências fashion e considera Johnny Depp seu maior ícone de moda. “Muitas celebridades se vestem bem, mas é fácil se vestir bem usando Armani, Dolce&Gabbana, etc. Johnny Depp consegue ter estilo vestindo roupas que qualquer um tem no guarda-roupa”, justifica. “Uma vez, vi uma foto em que ele estava usando um cachecol listrado. Mandei fazer um igual pra mim.”

Foto: Blog Amaury Junior

E se quase todo “mero mortal” acredita que o inverno seja a época mais elegante do ano, é nessa estação que  Johnny Depp esbanja ainda mais estilo. Para acompanhar o inseparável cachecol, ele usa casacos e trench coats sóbrios – que contrastam com a calça jeans rasgada (que ele adora!). Na cabeça, chapéu ou touca de lã.

Foto: Abril

Inverno ou verão, Johnny Depp é sempre uma referência de estilo!

 

> Quer ouvir essa matéria? Clique aqui.


Estilo em Claquete renovado…

19 set

Olá, domingueiros! =] Já fazia tempo que o blog do Estilo em Claquete estava com aquela cara de “O Diabo Veste Prada”, né? Pois bem, decidimos renovar o “visual”!

E a inspiração dessa mudança é o filme O Acossado (À bout de souffle), de 1959. O longa foi dirigido pelo diretor francês Jean-Luc Godard, um dos nomes mais importante da nouvelle vague – movimento entre jovens cineastas franceses que queriam revolucionar o cinema da época (1958).

O Acossado é a história de amor entre  um criminoso e uma aspirante à jornalista (vejam só!). No filme, a protagonista Patrícia Franchini – interpretada pela atriz Jean Seberg – já usava o cabelo curtinho. O “boy hair” virou uma febre na época – e tem feito a cabeça  das atrizes, recentemente!

______________________________________________________

FICHA TÉCNICA

Título original: À bout de souffle

Gênereo: Policial

Ano de lançamento: 1959

Duração: 86 minutos

Diretor: Jean-Luc Godard

Sinopse: Após roubar um carro em Marselha, Michel Poiccard (Jean-Paul Belmondo) ruma para Paris. No caminho mata um policial, que tentou prendê-lo por excesso de velocidade, e em Paris persuade a relutante Patricia Franchisi (Jean Seberg), uma estudante americana com quem se envolveu, para escondê-lo até receber o dinheiro que lhe devem. Michel promete a Patricia que irão juntos para a Itália, no entanto o crime de Michel está nos jornais e agora não há opção. Ele fica escondido no apartamento de Patricia, onde conversam, namoram, ele fala sobre a morte e ela diz que quer ficar grávida dele. Ele perde a consciência da situação na qual se encontra e anda pela cidade cometendo pequenos delitos, mas quando é visto por um informante começa o final da sua trágica perseguição.

Quer ver o trailer?

por Gaby Pagano

O visual anos 80 do novo clipe do Hanson

8 maio

A banda americana Hanson lançou o videoclipe de seu mais novo single Thinking ‘Bout Somethin’.

Até aí, nada demais. Apesar de sumida dos holofotes, os irmãos Isaac, Taylor e Zac continuaram na ativa no cenário independente e foram bem sucedidos.

Novidade mesmo é que vídeo reproduz uma cena do filme Os Irmãos Cara de Pau, clássico de 1980. E fica bem parecido!

E é aí que mora outra novidade. Na cena original, os atores John Belushi e Dan Aykroyd, dançam ao som da música Twist It. Sendo assim, o improvável acontece: os irmãos Hanson executam uma coreografia semelhante – é importante lembrar que mesmo tendo estourado na mesma época que os Backstreet Boys e o N ‘Sync, o Hanson não dançava. Mas eles não fazem feio ao se arriscar!

A cena escolhida pelo Hanson ainda contava com a participação de Ray Charles. Foi o vocalista Taylor quem representou o músico e o resultado ficou bem interessante.

Mas a grande estrela do videoclipe é, sem dúvidas, o baterista Zac, que se empolga na execução da coreografia e dá ao clipe um ar ainda mais cômico.

O figurino é outro show à parte. É claro que as cores são o que mais chamam a atenção, sobretudo o laranja, que aparece em várias peças. As cores cítricas, aliás, foram super utilizadas. Camisetas verde-limão e amarelo são outras peças que se destacam no vídeo.

Saias curtinhas, roupas largas e sapatos baixos também têm vez. Já as camisas aparecem desde os tons neutros até o xadrez e o florido.

Sapatos extravagantes e calças excessivamente coloridas são a grande aposta do vídeo. O clássico All Star aparece nos pés de vários dançarinos. Zac usa um modelo azul e, na parte de cima, ele opta por uma jaqueta de couro. O visual fica até interessante.

Roupas e cores descombinadas estão por todas as partes e se misturam aos cabelos assimétricos e headbands. Mas quem pensa que as roupas discretas foram ignoradas, se engana. Camisetinha básica e o bom e velho jeans também têm vez no vídeo. A moda dos anos 80 era mesmo conhecida por essa ambigüidade e evidenciava os opostos.

O vídeo de Thinking ‘Bout Something’ fez sucesso na página do Hanson no Myspace e já foi visto por mais de 1 milhão de pessoas. Vale a pena conferir!

 Gaby Pagano.

O figurino invejável de “Sex and the City 2”

25 abr

“Sex and the City” é daqueles filmes que a gente fica esperando estrear só pra ver o figurino. Não adianta, basta a personagem de Sarah Jessica Parker aparecer com um “modelito” diferente que a peça já vira tendência.

O filme só chega ao Brasil no dia 28 de maio, mas alguns trailers de “Sex and The City 2” foram divulgados.

Na história, as quatro protagonistas viajam para os Emirados Árabes. Lá, Carrie (Sarah Jessica Parker) encontra um antigo namorado. Em meio a situações inusitadas, as amigas fazem até um passeio de camelo no deserto do Saara. Como não podia ser diferente, o figurino do filme é uma explosão de cores.

Verde, vermelho e pink em tecidos leves se misturam às paisagens exóticas e quentes. Além disso, roupas inspiradas em túnicas e togas aparecem em algumas cenas. Em cores neutras e em cores vivas, mas sempre em tecidos leves.

Outra coisa que chama a atenção é o brilho. Eles estão em todas as partes, inclusive nas letras que compõem os créditos do filme.

A personagem de Sarah Jessica Parker, conhecida por ter um visual ousado, faz jus a essa fama. Primeiro, Carrie desfila um turbante. A peça, que em si já não é discreta, ainda vem cheia de cores – mas tem estilo!

Depois, ela aparece com uma saia godê (aquelas saias rodadas) longa e lilás. Na parte de cima, camiseta preta e casaquinho de ombros marcados, que deram ao visual um ar mais roqueirinho.

Já Samantha (Kim Katral) vai desde o pretinho básico até ao vestido nude cheio de brilho, que tem feito sucesso entre as celebridades.

“Sex and the City 2” é inspirado na série da HBO exibida entre 1998 e 2004.

Gaby Pagano.

Read My Lips, os batons com “um quê” jornalístico!

9 abr

Uma cor para cada "seção"

Quarta-feira, estava dando aquela passadinha pelo blog da Elle, Espelho Meu, Espelho Seu, quando me deparei com um post que cabia direitinho no Dia do Jornalista (que foi na quarta).

 Só pelo título “Lábios de Lois Lane”  já me deslumbrei. Como boa estudante de jornalismo, não podia ser diferente.

Quando vi a foto então… a marca de make-ups the Balm lançou uma linha de batons com embalagens que imitam os antigos periódicos. Essas embalagens ainda são reutilizáveis, no melhor estilo “jornais recicláveis”. Um charme e um luxo!

Logo cliquei no link para o site da the Balm e dei uma fuçada. A linha se chama Read My Lips . Como eu adoro trocadilhos, achei esse genial. Mas não parava por aí. A descrição já anunciava… “Out with the old, in with the news (so to speak). These new “editions” are not your mamma’s lipstick.” –  com as  alusões a “notícias” e “edição”, enlouqueci de vez.

"Gossip"

E quando eu já tinha adorado tudo, eles foram além: cada batom tem um nome comum às redações dos jornais: scoop (furo), letter to the editor (carta ao editor), classified (classificados) e outros. Cada cor combinando com sua respectiva “seção”.

Além disso, a marca ainda promete batons com gostinho de baunilha com menta, textura cremosa e vitaminas A e B.

Diante de uma embalagem estilosíssima daquele jeito e ainda com todas essas promessas, fica até difícil acreditar. Mas o site Sephora traz algumas reviews de consumidores.

Agora, se você mesma quiser comprovar, vai ter que importar, já que os produtos não estão a venda aqui. Os batons não são caros (custam U$17), mas tem a taxa de importação…

Com um batom desses, qualquer jornalista antenada vai se sentir a própria Lois Lane e sair a procura de seu Clark Kent na redação…

 

Gaby Pagano.