Arquivo | dicas RSS feed for this section

O estilo pin-up de ser

2 dez

Inocência e sensualidade num pacote só

Mais do que uma grande marca da cultura pop, as pin-ups são ícones de uma geração!

Popularizado durante a década de 40, o termo apareceu pela primeira vez ainda em 1941, se referindo num primeiro momento apenas a grandes mulheres sexys de Hollywood. No entanto, com o passar dos anos, o termo pin-up começou a ser usado para as figuras e caricaturas de mulheres que misturavam a sensualidade e a inocência tanto no jeito quanto na forma de se vestir. A imagem de menina-mulher que fez tanto sucesso no cinema e logo depois na TV ganhou uma aura inocente ao longo das décadas.

A cara de menina e atitude de mulher fatal levou as pin-ups a se tornarem não apenas queridas do público masculino, mas também ícones do público feminino. Exemplos disso são pin-ups como Betty Grable, Bettie Page, Marilyn Monroe e Brigitte Bardot. Betty Grable foi tão famosa que seu retrato estampava inúmeros armários dos soldados norte-americanos na Segunda Guerra Mundial e, da mesma forma, Marilyn Monroe se tornou um dos maiores ícones de popularidade do século XX. Sua fama foi tão grande que foi a escolhida para cantar parabéns ao presidente norte-americano John Kennedy, numa cena que se tornaria histórica.

Na sequência, Betty Grable e Marylin Monroe, estrelas pin-ups consagradas no cinema

Essas mulheres, que habitaram o imaginário masculino, também se transformaram em modelo para a ala feminina. Suas personalidades misturavam uma aura de criança inocente com a ousadia e a sensualidade de uma mulher.

Uma das mais recentes e famosas pin-ups é Dita Von Tesse. Além de modelo, Dita Von Tesse é atriz e artista burlesca, mas ficou conhecida mundialmente por seu estilo pin-up de ser: lábio vermelho sangue, roupas de renda que lembram lingeries, além dos decotes ousados formam sua figura. Sua aparência leva uma característica marcante de todas as pin-ups: a semelhança com bonecas.

A imagem da pin-up em Dita Von Tesse: salto alto, lábios vermelhos, cinta-liga e cachos bem feitos e volumosos

Assim, o mundo pop adotou as pin-ups para si e, hoje, imagens de pin-ups são encontradas nos mais diferentes produtos e lugares. A expressão se tornou sinônimo de estilo e personalidade. Prova disso são as pin-ups modernas que conseguimos encontrar no dia-a-dia. Mesmo não apostando na cinta-liga, nem deixando o visual carregado, as pin-ups modernas provaram como é possível adaptar estilos para diferentes gerações. Roupas que lembram boneca, mas que brincam com os tamanhos e decotes; brincos e acessórios grandes que deixam o visual de menina com cara mais madura; olhos muito pretos e lábios bem vermelhos, aliados à sapatilhas ou saltos deixando ora mais, ora menos o visual sexy. Tecidos mais leves, cores mais fortes e uma eterna brincadeira com desenhos e imagens infantis se misturam com o olhar ousado dessas meninas.

Adaptando o guarda-roupa, o estilo das pin-ups continua mais forte do que nunca, mostrando, mais uma vez, que é possível ser sexy sem ser vulgar.

Anúncios

O que usar no verão?

29 nov

O ano está quase acabando, e o verão logo vai estar aí!

Durante o ano, o Estilo em Claquete trouxe várias propostas de tendências para o verão 2011. Mas o que vai agradar ou não o público em geral? O Estilo foi às ruas descobrir.

O colorido vai vir com tudo na nova estação, seja nas peças de roupa ou até mesmo nas unhas. O azul-turquesa apareceu em vários desfiles, e promete ser o hit do verão. Os esmaltes multi-coloridos já caíram no gosto da mulherada e as variedades de cores são infinitas.

A vendedora Franciele Borges percebeu que o verão vai ser bem colorido. “O que eu tenho visto bastante são cores fosforescentes, cores vibrantes. Eu até tenho vontade de comprar um scarpin cor-de-rosa!”, brincou Franciele.

Muitas estampas desfilaram nas semanas de moda no Brasil, então vale a pena apostar nelas. Estampas animais, florais, gráficas, étnicas e sempre brasileiríssimas.Um estilo que está chegando com bastante força são as estampas geométricas.Tanto em detalhes quanto como nas peças inteiras, as formas geométricas são um charme.

Chapéus e cintos são acessórios bem-vindos em qualquer look verão. Eles estão aí desde o inverno e prometem ficar ainda por um bom tempo. Aposte nos cintos fininhos em estilo vintage.

Os decotes também reaparecem na medida em que a temperatura sobe e foram unanimidade no gosto das mulheres. Mas é preciso tomar cuidado para não cair na vulgaridade.

As roupas decotadas podem mostrar a frente ou as costas, mas nunca mais de uma parte do corpo de uma vez.

A estagiária Bruna Bianca acha que o decote valoriza muito a mulher. “O decote, eu acho que deixa o corpo da mulher mais bonito. As formas geométricas também, mostra mais o corpo de um modo não vulgar.”, comentou ela.

Para ir à praia, a aposta são biquínis e maiôs com detalhes em metal, estilo Bond girl. As peças ficam mais sofisticadas e muito mais sensuais.

As transparências também estão em alta, e acompanham as mais variadas peças: blusinhas, saias, tomara-que-caia, entre outros

Não quer errar no verão? Então confie nos vestidos. Eles vão estar em alta na estação do calor, acompanhados de estampas coloridonas e nos mais diversos tamanhos. As saias também são boas escolhas, e estão para todos os gostos: desde as minissaias até as de cintura alta.

Para a artista plástica Marilene Pereira, a moda se repete muito e o importante é usar as peças de acordo com seu tipo físico. “Eu acho que não muda muito; altera alguma coisa, mas na verdade fica no mesmo, sempre assim, roupas coloridas, roupas curtas, blusas cavadas, vestidos cavados, então acho que não muda muito pelo que eu vi. Vai mais pelo bom senso de cada um”, disse Marilene.

Aproveite as nossas dicas e curta o verão com bastante estilo!

Na Natureza Selvagem: Beleza e exclusividade em trilha sonora

28 nov

As trilhas sonoras conquistaram lugar cativo na crítica de um filme e estão a cada dia conquistando mais importância dentro de uma produção.

Uma das mais aclamadas criações musicas para filmes da última década está em Into the Wild ou Na natureza Selvagem, um longa metragem dirigido pelo ator veterano Sean Penn no ano de 2007 e adaptado do livro homônimo, do jornalista Jon Krakauer.

O filme é baseado na história verídica do jovem americano Christopher McCamdles, interpretado por Emile Hirsch, no início dos anos 90.

Recém formado na faculdade, Chris ou Alexander Supertramp, como se denominou, decide “parar de viver uma mentira” e embarcar em uma experiência genuína que transcendesse o materialismo, viajando sozinho pelo país, apenas com o que a natureza pudesse lhe ceder. Seu destino final: as partes mais inóspitas do Alasca.

O filme é uma verdadeira terapia e traz à tona todos os conceitos de família e sociedade que já pareciam estagnados.

As músicas são todas da autoria de Eddie Vedder, o vocalista do Pearl Jam, em seu primeiro trabalho solo.

O álbum da trilha vendeu cerca de 39 mil copias na primeira semana e tem um estilo rock folk.

Isso rendeu os prêmios no Grammy em 2008 na categora melhor música escrita para mídia visual, melhor trilha sonora no Critic’s Music Awards, o Globo de Ouro de Melhor Trilha Sonora e melhor canção original para Guaranteed e Satellite Awards para a música Rise.

Confira uma dessas belas músicas:

Gostou? Então baixe aqui:

http://www.baixarcdmusicasgratis.com/download/eddie-vedder-into-the-wild-soundtrack/

Na natureza Selvagem- CD

Faixas:

1 – Hard Sun
Escrita por Gordon Peterson.
Interpretada por Eddie Vedder.

2 – Society
Escrita por Jerry Hannan.
Interpretada por Eddie Vedder.

 

3 – Setting Forth
Por Eddie Vedder.

4 – No Ceiling
Por Eddie Vedder.

5 – Far Behind
Por Eddie Vedder.

6 – Rise
Por Eddie Vedder.

7 – Long Nights
Por Eddie Vedder.

8 – Tuolumne
Por Eddie Vedder.

9 – The Wolf
Por by Eddie Vedder.

10 – End of the Road
Por Eddie Vedder.

11 – Guaranteed
Por Eddie Vedder.

12 – Going up the Country
Por Canned Heat.

13 – King of the Road
Escrita e Interpretada por Roger Miller.

14 – Doing the Wrong Thing
Por Kaki King.

TOP 10 do horror!

13 nov

Ainda no clima do Dia das Bruxas, o Estilo em Claquete elegeu seu TOP 10 dos filmes de terror. Confira!

10- Os Outros

O longa é de Alejandro Amenábar. Nicole Kidman interpreta Grace, mãe de duas crianças que têm uma rara doença que os impede de sair à luz do sol. Grace se muda com os filhos para uma mansão isolada esperando que seu marido retorne da guerra, mas coisas estranhas começam a acontecer e eles descobrem que não estão sozinhos. Apesar de se qualificar mais como um suspense, Os Outros deixa você em constante apreensão. O cenário, sempre escuro, causa a estranha sensação de que alguém está prestes a aparecer.

9- Atividade Paranormal

O terror independente lançado em 2009 foi dirigido por Oren Peli. Katie Featherston e Micah Sloat interpretam um casal de namorados que dividem um apartamento em San Diego, Estados Unidos. Porém, uma presença assustadora persegue Katie e promete acabar com a paz do casal. Para descobrir o que pode estar incomodando a namorada, Micah instala uma câmera portátil no quarto e descobre fenômenos sobrenaturais que acontecem durante a noite.

8- Sexto Sentido

O longa, lançado em 1999, conta a história do psicólogo infantil Malcolm, interpretado por Bruce Willis, responsável pelo caso de Cole, papel de Haley Joel Osment. O menino de oito anos vive paralisado por um medo que intriga sua mãe. Mal sabe ela que seu filho possui um dom diferente e muito assustador: o de ver gente morta. A direção fica por conta de M. Night Shyamalan.

7- Psicose

O filme de 1960, de Alfred Hitchcock, ainda se mantém atual quando o assunto é causar calafrios. Janet Leigh interpreta a secretária Marion, que foge após dar um desfalque na imobiliária. Ao anoitecer, Marion resolve se hospedar no hotel Bates, onde é recebida por Norman, um tímido rapaz dominado por sua mãe. Durante a noite, em uma das cenas mais memoráveis da história, Marion é assassinada a facadas durante o banho.

6- Ring: O Chamado

O filme japonês de 1998 teve uma versão produzida nos Estados Unidos (somente O Chamado) que ficou mais famosa, embora menos assustadora. A repórter Reiko Asakawa, interpretada por Nanako Matsushima, ouve rumores sobre um vídeo que mata quem o vê uma semana após assisti-lo e resolve investigar. No início ela não dá muita importância, mas algumas descobertas fazem com que Reiko mude de opinião. E quando seu filho assiste ao conteúdo do vídeo, a repórter se lança em uma corrida contra o tempo para combater a sinistra maldição.

5- Poltergeist

O filme de Tobe Hooper foi lançado em 1982 e conta a história da família Freeling, que não sabe que a casa onde habitam esconde um terrível segredo. Até que a pequena Carol Anne, interpretada por Heather O’Rourke, começa a se comunicar com algo que ninguém mais pode ver. Quando Carol Anne desaparece, os Freeling procuram uma equipe de parapsicólogos, dispostos a enfrentar os espíritos furiosos que os assombram para recuperar a menina.

4- O amigo Oculto

O longa de John Polnson conta a história do viúvo David, interpretado por Robert De Niro, e sua filha Emily, papel de Dakota Fanning. A menina de nove anos, ainda atordoada pela perda da mãe, cria um amigo imaginário chamado Charlie. No início, as brincadeiras de esconde-esconde com Charlie parecem ser inofensivas, mas aos poucos o amigo oculto se revela alguém malvado e vingativo.

3- O Iluminado

O clássico de 1980, dirigido por Stanley Kubrick, recebe nossa medalha de bronze. O longa mostra uma família isolada em um hotel, em que a contínua solidão começa a causar problemas mentais no pai, Jack Torrance, interpretado por Jack Nicholson, e ele se torna cada vez mais agressivo e perigoso. Danny Lloyd faz o papel do pequeno Danny, filho de Jack, chamado de “iluminado” por ser capaz de prever e rever acontecimentos envolvendo macabros assassinatos no hotel.

2- Contatos de Quarto Grau

Em segundo lugar está o terror estilo ficção científica de 2009, dirigido por Olatunde Onsusanmi. O filme fala sobre a pesquisa da psicóloga Abigail, interpretada por Milla Jovovich, envolvendo estranhos acontecimentos em uma cidade do Alasca. Apresentado em forma de documentário, comenta os quatro tipos de contatos com seres extraterrestres. O de quarto grau, a abdução, é o mais perturbador.

1- O Exorcista

Eis o campeão do horror. Tendo várias versões filmadas, desde 1973 (na versão de William Friedkin) a história da menina Regan, possuída por um demônio, assombra pessoas em todo o mundo. Após chocantes mudanças em seu comportamento, Regan começa a se transformar em um ser terrível. Desesperada, sua mãe não vê alternativa a não ser procurar um exorcista.

O top 10 de filmes de terror promete muitos sustos. Confira algumas das nossas dicas!

Cinema dita moda durante a SPFW

14 jun

Quarta-feira, 9/6, iniciou-se o SPFW Primavera/Verão 2011, que traz a alta costura da nova estação.

Mas não é apenas nas passarelas que São Paulo vai acompanhar o desenrolar da moda. Paralelamente à semana fashion mais importante da metrópole acontece o 2º Circuito São Paulo de Moda e Arte.

O Circuito traz uma mostra de cinema, debates e exposições sobre o assunto. O evento foi organizado pelas Galeria Central, Cine Olido e Galeria Pontes e está em sua segunda edição – do dia 8/6 a 16/6.

Dezesseis curadores, entre estilistas, críticos de moda e outros profissionais da área decidiram a série de filmes a serem exibidos. Alguns já eram esperados, como o clássico “My Fair Lady”, de 1964, com a diva Audrey Hepburn. Mas outros surpreendem, como “Clube da Luta”, de 1999.

Os filmes não trazem apenas influências na forma das pessoas se vestirem. Em “Zuzu Angel”, de 2006, a sétima arte tem uma forte conotação política e “Morte em Veneza”, de 1971, traz à tona alguns conceitos psicológicos.

Patricia Pillar e Daniel de Oliveira em Zuzu Angel

Críticas à moda também estão na lista dos filmes. “Roma de Fellini”, de 1972, faz uma sátira do público dos desfiles de moda.

O filme “Speakers – Entrando de Sola na Cultura Urbana”, de 2008, tem como ponto principal o sapato como ícone da moda.

Também está na lista o longa “Gigolô Americano”, da década de 80, primeiro trabalho do estilista Giorgio Armani no cinema.

Alguns filmes mostram a trajetória de tendências, como “O Belo Brummel”, de 1954, que aborda a evolução da moda masculina.

Outros expõem no cinema o trabalho de estilistas importantes, como “Yves Saint-Laurent – O Tempo Redescoberto”, de 2002.

O ingresso terá valor simbólico de um real. Antes de cada seção, o jornalista Luciano Braga fará um comentário sobre o filme e sua relevância para a moda.

Pra quem está em São Paulo, as sessões acontecem no Cine Olido, que fica ma Avenida São João, número 473, Centro.

Regiane Folter.

O chapéu saiu do cinema e invadiu as passarelas – e ruas!

1 jun

A top Alessandra Ambrósio no desfile da Colcci no SPFW Inverno 2010

A moda é uma grande recicladora de tendências. Isso ficou evidente com o ressurgimento dos chapéus nas passarelas de todo o mundo, a grande aposta para o inverno 2010.

Há muito tempo que o chapéu deixou de ser uma mera proteção para os cabelos e, aos poucos, foi sendo encarado como um componente fundamental em diversos looks.

Alguns personagens do cinema ajudaram a desmistificar o uso. Quem não se lembra de Indiana Jones e seu inseparável chapéu? Ou dos chapéus-coco de Charles Chaplin e de Sherlock Holmes?

No remake de “Alice no País das Maravilhas”, o Chapeleiro Maluco interpretado por Jhonny Depp revitalizou a cartola. O ator também estrelou “Inimigos Públicos”, no qual usava um modelo fedora, aquele chapéu de feltro, estereótipo de gangster e detetives nos filmes hollywoodianos.

O ator Clark Gable interpretou Rett Butler em “… E O Vento Levou”, puro charme em seu chapéu panamá, que é feito de palha. A atriz Ingrid Bergman foi eternizada no filme “Casablanca” usando um vestido branco e um chapéu na cena do aeroporto.

Mas não é nosso no mundo da ficção que as estrelas usam chapéus. Na vida real, Blake Lively gosta de encarnar sua personagem fashion Serena, de Gossip Girl, no uso de chapéus lindíssimos. As atrizes Jessica Alba, Lindsay Lohan e Ashley Olsen também são grandes fãs de chapéus e boinas.

O chapéu faz a cabeça das famosas (Foto: Lojas Riachuelo)

Mas será que no Brasil essa moda pega, já que o chapéu é um tipo de acessório pouco usado em nosso país e tende a chamar atenção?

O Estilo em Claquete foi às ruas saber a opinião das pessoas e encontrou a estudante Beatriz, que acredita nessa nova tendência. “Eu acho que essa tendência de chapéu é muito legal, porque a pessoa que usa chapéu tem seu estilo, usa aqueles coloridos, de várias formas e modelos, então dá um tchan na roupa!”, disse Beatriz.

A primeira dica é usar o chapéu se você gostar do look e não apenas porque está na moda. Escolha um modelo proporcional ao seu rosto e a sua estatura.

Quem tem o rosto grande e redondo deve evitar chapéus pequenos, gorros e boinas apertados. Quem tem o rosto magro, não deve usar chapéus grandes, já que faces miúdas somem se o acessório é muito vistoso.

Para dar destaque, o chapéu deve ser usado com roupas pouco chamativas e sem brincos, afinal, o acessório já vai chamar bastante atenção.

Regiane Folter.

Clássico e versátil: Cardigã é a peça coringa do inverno 2010

1 jun

Chique, clássico e versátil. Assim são os cardigãs, a peça coringa do próximo inverno.

O casaquinho, que nunca sai de moda, surgiu no século XIX para aquecer o sétimo conde de Cardigan, o general britânico James Thomas Brudenell (1797-1869), durante a guerra da Crimeia e, desde então, passou a ser referencia na moda.

Ele era usado como parte dos uniformes da tropa e, no século seguinte, foi aderido por jogadores de golfe e pelo uniforme escolar, dando origem ao estilo College.

A peça nada mais é do que um pulôver de decote V com abotoamento frontal e ficou restrito ao guarda-roupa masculino até a década de 20.

A estilista consagrada, Coco Chanel, mais uma vez inovou ao trazer o cardigã para as mulheres de maneira extremamente feminina, usado com vestidos ou saias.

Hoje ele pode ser visto nos mais diversos looks, do despojado ao mais caretinha, só dependendo da composição do visual.

Uma das versões mais comuns é a do casaquinho compondo uma roupa no estilo boyish ou andrógino, super em alta nas últimas temporada.

cardigã: várias formas e cores

O Estilo em Claquete pediu para que Carla Costa, consultora de moda e docente do Senac Bauru, montasse looks legais usando cardigã. Carla indicou o cardigã sobreposto ao vestidinho ou meia calça. No inverno, é possível, ainda, optar por um modelo mais comprido, todo aberto com camiseta colorida – deixando o visual, inclusive, mais moderno.

Carla também citou as gêmeas Olsen ( Mary Kate e Ashley) como referência de celebridades adeptas ao cardigã, que também é uma das peças preferidas de Katie Holmes e Kate Moss.

Os modelos em alta para a temporada fria de 2010 são os mais diversos, desde os clássicos de cores neutras e feitos de lã ou crochê, aos mais despojados, coloridos, estampados e compridos, feitos de malha ou moletom.

Por ser um componente tão democrático e versátil é fácil colocá-lo em diferentes ocasiões, tanto em dias de clima ameno ou bem frios – nesse caso, usado por baixo de casacos mais pesados sem aumentar muito o volume.

Uma vantagem é que é fácil achar os cardigãs em lojas de departamento como Renner, Zara e C&A e não é preciso pensar que é uma peça só para a próxima estação, já que ele nunca sai de moda e poderá continuar sendo usado com todo charme por muito tempo, ao longo das outras estações.

Laura Luz.