Arquivo | tendências RSS feed for this section

O que usar no verão?

29 nov

O ano está quase acabando, e o verão logo vai estar aí!

Durante o ano, o Estilo em Claquete trouxe várias propostas de tendências para o verão 2011. Mas o que vai agradar ou não o público em geral? O Estilo foi às ruas descobrir.

O colorido vai vir com tudo na nova estação, seja nas peças de roupa ou até mesmo nas unhas. O azul-turquesa apareceu em vários desfiles, e promete ser o hit do verão. Os esmaltes multi-coloridos já caíram no gosto da mulherada e as variedades de cores são infinitas.

A vendedora Franciele Borges percebeu que o verão vai ser bem colorido. “O que eu tenho visto bastante são cores fosforescentes, cores vibrantes. Eu até tenho vontade de comprar um scarpin cor-de-rosa!”, brincou Franciele.

Muitas estampas desfilaram nas semanas de moda no Brasil, então vale a pena apostar nelas. Estampas animais, florais, gráficas, étnicas e sempre brasileiríssimas.Um estilo que está chegando com bastante força são as estampas geométricas.Tanto em detalhes quanto como nas peças inteiras, as formas geométricas são um charme.

Chapéus e cintos são acessórios bem-vindos em qualquer look verão. Eles estão aí desde o inverno e prometem ficar ainda por um bom tempo. Aposte nos cintos fininhos em estilo vintage.

Os decotes também reaparecem na medida em que a temperatura sobe e foram unanimidade no gosto das mulheres. Mas é preciso tomar cuidado para não cair na vulgaridade.

As roupas decotadas podem mostrar a frente ou as costas, mas nunca mais de uma parte do corpo de uma vez.

A estagiária Bruna Bianca acha que o decote valoriza muito a mulher. “O decote, eu acho que deixa o corpo da mulher mais bonito. As formas geométricas também, mostra mais o corpo de um modo não vulgar.”, comentou ela.

Para ir à praia, a aposta são biquínis e maiôs com detalhes em metal, estilo Bond girl. As peças ficam mais sofisticadas e muito mais sensuais.

As transparências também estão em alta, e acompanham as mais variadas peças: blusinhas, saias, tomara-que-caia, entre outros

Não quer errar no verão? Então confie nos vestidos. Eles vão estar em alta na estação do calor, acompanhados de estampas coloridonas e nos mais diversos tamanhos. As saias também são boas escolhas, e estão para todos os gostos: desde as minissaias até as de cintura alta.

Para a artista plástica Marilene Pereira, a moda se repete muito e o importante é usar as peças de acordo com seu tipo físico. “Eu acho que não muda muito; altera alguma coisa, mas na verdade fica no mesmo, sempre assim, roupas coloridas, roupas curtas, blusas cavadas, vestidos cavados, então acho que não muda muito pelo que eu vi. Vai mais pelo bom senso de cada um”, disse Marilene.

Aproveite as nossas dicas e curta o verão com bastante estilo!

Os anos 70 estão de volta!

21 nov

Para quem acompanhou as semanas de moda internacionais, ficou a certeza de que o estouro de cores nas passarelas não foi à toa! O colorido e as estampas das roupas trouxeram à tona uma das maiores décadas para o guarda-roupa feminino: os anos 70. Trazendo aquilo que a década tinha de melhor, vimos um clima hippie e boho-chic de volta para a próxima estação.

O look dos anos 70: roupas largas, muito colorido e exagero


Época muito importante, os anos 70 tiveram grande influência na moda, na música e nas transformações sociais. Numa época em que os jovens resolveram reivindicar por seus direitos, suas opiniões se refletiram em outras áreas além da política. Muito disso pode ser visto no cenário musical, tanto nas bandas nacionais quanto internacionais. Enquanto lá fora assistíamos Bee Gees, Rooling Stones e Queen encantando os jovens, por aqui, o som do momento ficava por conta de Raul Seixas. Suas letras, que falavam sobre problemas políticos e existenciais, embalavam a cabeça e o coração dos jovens. Sociedade Alternativa, Metamorfose Ambulante, Medo da chuva e tantas outras marcaram época refletindo sobre problemas e conflitos daquela geração.

O movimento de contracultura da década de 70 também se refletiu nas roupas da geração. Calças bocas de sino, tecidos leves e largos e muito brilho vieram acompanhados de muito colorido e estampas diversas. Nos cabelos masculinos, o estilo black power ganhou vários adeptos, enquanto as mulheres apostaram em cabelo longos e cheios. Os olhos e a boca também ganharam destaque, com o uso de batons de cores vibrantes e lápis bem delineados.

Para tanto, o comportamento e as roupas dos jovens setentinhas tiveram vários lugares onde se inspirar. Época de muitos ídolos, a geração de 70 teve influência de muitos filmes, como o longa-metragem Embalos de Sábado à Noite.

A história se passava em meio às danceterias tão comuns e populares na época e, com uma trilha sonora característica dos anos 70, a dança e o carisma de John Travolta – personagem principal do filme – foi essencial para seu sucesso. O cantor e seu estilo cool serviram de inspiração para inúmeros adolescentes da década.

Embalos de Sábado a Noite refletia a era disco tão característica da época


No entanto, com o início da revolução sexual, figuras femininas também ganham destaque e influência. É o caso de Janis Joplin que encantou o público presente no festival de Woodstock. O evento, inclusive, foi uma das maiores manifestações da década. Mesmo realizado em 1969, o reflexo de suas ideias durou durante toda a década de 70. Seu lema de “Faça o amor, não faça a guerra” serviu como guia para a sua geração.

Por toda sua influência no cenário cultural, a década de 70 sempre foi revisitada pela moda. Na semana de Moda de Londres verão 2011 isso ficou evidente com a coleção apresentada por Marc Jacobs. O estilista trouxe para a passarela o colorido, as misturas e os exageros dessa geração. Os excessos nas roupas ficaram evidentes, trazendo novas cores, estampas e inspirações para a próxima estação.

Marc Jacobs, Topshop Unique e Diane von Furstenberg reviveram os anos 70 na primavera-verão 2011


O que temos certeza é que podemos esperar um verão 2011 com muito glamour e excentricidade!

Modelos plus size na Semana de Moda de Nova Iorque

18 set

Foto: Revista TPM

Entre os dias 9 e 16 de setembro, aconteceu a Semana de Moda de Nova Iorque. Pela primeira vez durante o evento, aconteceram desfiles de modelos gordinhas, as chamadas plus size. Segundo os organizadores, o objetivo era mostrar que as mulheres mais cheinhas também estão na moda e devem ser cortejadas pelos estilistas.

A jornalista Pamela Nunes, do blog “Grandes Mulheres”, aplaudiu a iniciativa, e acha importante que a moda plus size esteja sendo discutida durante uma das principais semanas de moda do mundo. “Eu acredito muito que a moda é democrática, é a indústria da moda perceber que a moda é democrática, porque parece que não existe esse conhecimento.”, comenta ela.

Mas nem todos compartilham dessa idéia. Alguns críticos afirmam que os desfiles de modelos gordinhas podem ser estímulos à obesidade e ainda garantem que modelos muito magras não estimulam bons hábitos, mas as tops cheinhas poderiam criar a sensação de que a obesidade é saudável.

A blogueira Paula Bastos, companheira de Pamela no “Grandes Mulheres”, discorda totalmente desses argumentos e garante que o problema é a visão que a sociedade tem dos mais cheinhos. “O gordo vem com uma conotação toda negativa. Quando você pensa em gordo, você pensa em lento, preguiçoso, desprovido de vontade, feio… Então assim, o que acontece: eles não conseguem entender que uma pessoa que é gorda pode sim ser saudável.”, afirma Paula.

O movimento plus size é recente, mas vem crescendo. Em 2007, a jovem de 20 anos, Whitney Thompson, foi a primeira modelo acima do peso a vencer o America’s Next Top Model.

Mas, como definir as modelos plus size? Segundo Pamela, as modelos cheinhas que desfilam em passarela normalmente têm manequim 42. Essas modelos não poderiam ser chamadas de plus size, pois vestem o número considerado normal para as mulheres padrão.

As modelos plus size possuem manequim igual ou maior que 46, são mais comuns em comerciais e propagandas, e não freqüentam passarelas.

Ainda de acordo com as blogueiras, a moda plus size no Brasil ainda está muito devagar. “No geral, as marcas que eu vi [no Fashion Weekend Plus Size] fazem roupas ainda muito naquela coisa de ‘gordo tem que usar roupas largas, sem estrutura, com estampas antiquadas’, uma moda bem antiquada, não tem criação, é uma reprodução de uma moda que na verdade não é moda, falta muita informação de moda.”, lamenta Pamela.

Algumas empresas da moda estão notando o público plus size devido ao seu grande potencial de compra. Certas marcas já estão ligadas no público plus size, como o estilistas Edson Eddel, que trabalha com grifes e vestidos de noiva, e Ana Lisboa, com produtos moda praia e lingerie.

“Acho importante que a indústria da moda enxergue essas pessoas, que não são magras, que estão acima do peso, também consomem, também precisam de roupas e também são vaidosas.”, afirma Paula.

No exterior, marcas que trabalham com modelos de números maiores são mais comuns e muito mais desenvolvidas no assunto. A americana Torrid e a européia Evans são exemplos de marcas queridas pelas gordinhas.movimento plus size é recente, mas vem crescendo.

E já tem vídeo do desfile da OneStopPlus, na NYFW, disponível na internet:

por Regiane Folter

Tendências: esmaltes

16 set

Foto: Blog A

Até alguns anos atrás, esmalte era uma das formas de deixar as unhas com uma aparência bem cuidada. As mais tradicionais contavam com as tonalidades de rosa claro e para as ousadas, o mercado oferecia um pequeno número de tons vermelhos. Mas hoje é raro encontrar unhas assim.

A infinidade de cores e desenhos para a unha aumenta cada dia mais, e escolher como pintar as unhas passou a ter a mesma importância que a escolha de uma roupa ou acessório, como pensa a universitária Ana Luiza Camargo, que gosta de varriar as cores das unhas.Eu acho que as pessoas estão cada vez mais complemento com o esmalte a roupa que vai usar, combinando mais assim, aderindo como se fosse mesmo uma peça do vestuário”.

O número de opções aumentou: os esmaltes podem ser fluorescente, cintilantes, opacos, brilhantes, foscos, podem ser aplicado com uma única camada, ou uma combinação de vários pode definir a cor da suas unhas. Para quem observa esse comportamento sem estar envolvido na nova moda pode estranhar as novas cores. O universitário Odelmo Serrano conta que todas as cores são válidas se concordarem com a situação. “Tudo depende da situação, do que você pretende, se vai sair para algum lugar, se vai atrás de emprego, tudo depende da situação, tem sempre um modo de você se vestir, de você se comportar, a unha, nesse caso, está funcionando que nem a roupa, para cada situação você tem que usar de um jeito.”

Da mesma forma que muitos sites e blogs de moda são encontrados hoje, os sites especializados em esmaltes vêm tendo uma ascensão especialmente em 2009. Tanto no Brasil, como no exterior, é possível encontrar uma infinidade de blogs com dicas e tendências de tipos e cores de esmaltes, novas técnicas, ou maneiras de facilitar a missão de deixar as unhas bonitas.

Mas o destaque desses blogs está nas receitas de misturinhas. Depois das principais semanas de moda, e dos lançamentos de esmalte de grifes como a Chanel, as blogueiras começam a pensar em alternativas para as leitoras que não podem comprar os esmaltes originais. As receitas costumam ser bem específicas, usam esmaltes encontrados em todo território nacional, em quantidades medidas em gotas de cada cor que formaram o tom desejado.

Alguns deles são:

HTTP://www.unhabonita.com.br

HTTP://www.maofeita.com.br


Tendência: Laços

31 ago

Valentino (Foto: Blog Minas Trend)

O que uma blusinha, uma sandália e uma carteira têm em comum? Todos eles ficam ótimos com uma tendência que virou febre no Brasil: o laço.

Esse adereço confere um toque romântico ao visual e não tem preferências, pois fica bem tanto nos acessórios como nas roupas. A alta dos laços pegou carona com a moda girlie, que valoriza objetos juvenis e delicados.

A blogueira Lilian Vasconcelos, do blog Anita Online (www.anitaonline.com.br) , garante que os laços já são evidência desde o ano passado. “Essa tendência dos laços está vindo de uma busca mesmo da moda em estar trazendo essa feminilidade, esse romantismo. Por isso que os laços, assim como as flores, tão bastante em evidência agora.”, afirma Lilian.

(Foto: patricinhaesperta.com.br)

Encontramos laços em blusas, vestidos, saias, calças e principalmente em calçados. Bolsas e carteiras não ficam de fora, assim como enfeites para cabelo. As bijuterias também apostaram nessa novidade e lançaram vários pingentes, broches, brincos e pulseiras com o formato de laços.

Eles podem ser pequenos ou grandes, discretos ou serem o destaque da produção. No quesito cores, os laços inovam sempre, podendo aparecer estampados, lisos, neutros ou até em um estilo mais retrô.

Maria Bonita Extra (Foto: Diva Diz)

Os laços remetem a um visual menina e surgiram como moda na década de 50, por causa de filmes como Alice no País das Maravilhas e Branca de Neve. Mais recentemente, outro filme que também abusou da feminilidade trazida por esse detalhe foi Maria Antonieta, de 2007. A figurinista Milena Canonero inclusive levou o Oscar por este trabalho.

Mas cuidado para não criar uma aparência infantil. De acordo com Lilian, o ideal é não exagerar nos acessórios. “Como [o laço] é um detalhe pra gente estar incluindo no look, o bacana é você não exagerar, não usar muito. É uma tendência sim, mas não é legal misturar muito.”, aconselha a blogueira.

E lembre-se: se o visual está simples demais, um pequeno detalhe como o laço pode encher o look de charme e elegância.

Regiane Folter.

Looks românticos: na cabeça, no coração e nas roupas das mulheres…

31 ago

Maria Bonita Extra no Fashion Rio Verão 2011 (Foto: Manequim)

Em maio/junho passados, o Fashion Rio já mostrava um pouco do que viria por aí no verão 2011, consangrando os modelitos românticos. O verão ainda não chegou, é verdade, mas os termômetros já  marcam números dignos da estação quente. E os looks românticos já se tornaram peças indispensáveis no guarda-roupa de qualquer mulher.  A diversidade de aplicações que podem ser dadas ao visual faz com que cada vez mais mulheres se identifiquem com o estilo, usando e abusando das pérolas, babados, laços e tons pastéis – apenas algumas das peças que compõem os chamados looks românticos.
No entanto, por mais estranho que isso possa parecer, a feminilidade e elegância desse visual nasceu justamente de uma guerra. Era década de 40 e a Segunda Guerra Mundial dominava a Europa trazendo uma escassez de recursos para todo o continente. Durante esse período, grandes casas de moda foram fechadas e as roupas deram adeus aos excessos que até então imperavam, afinal era hora de cortar gastos e essas peças também sofreram os revezes da guerra.
Tempos depois, quando finalmente chega ao fim a Segunda Guerra Mundial, cresce um sentimento nacionalista pela volta do glamour dos tempos áureos da França. É nesse contexto que o estilista Christian Dior atenderia não apenas ao pedido francês, mas imortalizaria seu nome: nasce o New Look de Dior.
O New Look, tão consagrado nesse período na França e que se eternizaria na história da Moda, resgatava a beleza com grandes saias marcando as cinturas e chapéus delicados enfeitando a cabeça das mulheres. Décadas depois, essas peças se tornaram marcantes no figurino de grandes nomes do Cinema, como é o caso de Audrey Hepburn. Em seu filme Bonequinha de Luxo (Breakfast at Tiffany’s), a atriz consagrou o uso de roupas chiques e femininas.
De lá para cá, no entanto, o vestido de tubo preto ganhou novos contornos. Peças como sapatilhas, plissês e acessórios leves deram ao visual um estilo que mistura o amadurecimento da mulher e a graça da menina. Entre as famosas, esse é o caso de Fernanda Takai, vocalista da banda Pato Fu.
Assim, é na mistura do New look de Dior e na herança da Renascença que se baseia este inverno de 2010. Então, aproveite as mangas bufantes, pregas e franzidos e dê asas a sua imaginação e ao romantismo da estação.

Paula Alves.

O chapéu saiu do cinema e invadiu as passarelas – e ruas!

1 jun

A top Alessandra Ambrósio no desfile da Colcci no SPFW Inverno 2010

A moda é uma grande recicladora de tendências. Isso ficou evidente com o ressurgimento dos chapéus nas passarelas de todo o mundo, a grande aposta para o inverno 2010.

Há muito tempo que o chapéu deixou de ser uma mera proteção para os cabelos e, aos poucos, foi sendo encarado como um componente fundamental em diversos looks.

Alguns personagens do cinema ajudaram a desmistificar o uso. Quem não se lembra de Indiana Jones e seu inseparável chapéu? Ou dos chapéus-coco de Charles Chaplin e de Sherlock Holmes?

No remake de “Alice no País das Maravilhas”, o Chapeleiro Maluco interpretado por Jhonny Depp revitalizou a cartola. O ator também estrelou “Inimigos Públicos”, no qual usava um modelo fedora, aquele chapéu de feltro, estereótipo de gangster e detetives nos filmes hollywoodianos.

O ator Clark Gable interpretou Rett Butler em “… E O Vento Levou”, puro charme em seu chapéu panamá, que é feito de palha. A atriz Ingrid Bergman foi eternizada no filme “Casablanca” usando um vestido branco e um chapéu na cena do aeroporto.

Mas não é nosso no mundo da ficção que as estrelas usam chapéus. Na vida real, Blake Lively gosta de encarnar sua personagem fashion Serena, de Gossip Girl, no uso de chapéus lindíssimos. As atrizes Jessica Alba, Lindsay Lohan e Ashley Olsen também são grandes fãs de chapéus e boinas.

O chapéu faz a cabeça das famosas (Foto: Lojas Riachuelo)

Mas será que no Brasil essa moda pega, já que o chapéu é um tipo de acessório pouco usado em nosso país e tende a chamar atenção?

O Estilo em Claquete foi às ruas saber a opinião das pessoas e encontrou a estudante Beatriz, que acredita nessa nova tendência. “Eu acho que essa tendência de chapéu é muito legal, porque a pessoa que usa chapéu tem seu estilo, usa aqueles coloridos, de várias formas e modelos, então dá um tchan na roupa!”, disse Beatriz.

A primeira dica é usar o chapéu se você gostar do look e não apenas porque está na moda. Escolha um modelo proporcional ao seu rosto e a sua estatura.

Quem tem o rosto grande e redondo deve evitar chapéus pequenos, gorros e boinas apertados. Quem tem o rosto magro, não deve usar chapéus grandes, já que faces miúdas somem se o acessório é muito vistoso.

Para dar destaque, o chapéu deve ser usado com roupas pouco chamativas e sem brincos, afinal, o acessório já vai chamar bastante atenção.

Regiane Folter.